Notícias <<VOLTAR

Seminário promove debate sobre cultura e patrimônio Uberabense

16/05/2019

O 1° Seminário de Patrimônio Cultural da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), promovido pelo curso de História foi aberto ontem (14), às 19h30. O evento contou com a parceria da Seção Municipal de Patrimônio Histórico e Artístico de Uberaba (Sempac) da Fundação Cultural de Uberaba. Também haverá um segundo encontros nesta quinta-feira (16), às 19h30, no Centro Educacional da UFTM, na Av. Getúlio Guaritá - 159, bairro Abadia. 

A palestra, foi conduzida pela arquiteta Camila Guimarães e pelo Historiador Gustavo Vaz. Na quinta-feira (16), o tema são as manifestações da cultura popular enquanto patrimônio imaterial. A noite também contará com a mãe Yá Bia do AAFIN Osumare que falará sobre suas práticas no Candomblé, Luiz Marcelo Conceição, representante da tradição dos Congados e Eurípedes Miguel de Morais da Companhia de Reis Divina Estrela. 

O Seminário de modo abrangente propõe-se a discutir o Patrimônio Cultural na cidade de Uberaba entre professores, alunos e comunidade geral. O intuito é colocar em pauta os temas do Patrimônio Material e Imaterial Uberabense, com enfoque nas discussões de Ensino de História e Patrimônio Imaterial. 

Um dos participantes da primeira noite foi o mestrando de Culturas Populares e Historiador, Maycon Mundoca. Ele pontua que “é necessário essas ações pois aproxima a cidade da universidade, em alguns momentos pode parecer que estão desconectados, mas são espaços que tem que ser trabalhados juntos, tanto a Fundação com universidade e demais instituições”. 

O Historiador explica que a palestra deu uma visão de pertencimento social e cultural. “Vivemos um momento, em que se questiona a
importância da história e das disciplinas da área de humanas, é importante discutir porque estamos falando sobre identidade, do que é ser Uberabense e mineiro. Os patrimônios dizem respeito à identidade.” 

Karine Rodrigues, estagiária da Sempac e Maycon Gonçalves ex-estagiário da Sempac germinaram a ideia para o seminário. Segundo Gonçalves “o evento surgiu de uma demanda minha e da Karine, pois percebemos que no curso, na matriz curricular não temos discussões voltadas para área patrimonial, e nós, tendo essa vivência local com as manifestações, decidimos organizar o seminário.”

Raiane Duarte - Estagiária Jornalismo

<<VOLTAR